POR QUE DEUS AMA MAIS AOS MAIS PERFEITOS?

Sendo Deus o AMOR PERSONIFICADO, admitamos que de modo geral Ele ama toda humanidade.

O ato de amar pressupõe o máximo bem-querer ao ser amado.

O fato do Criador ter revelado que nos deseja eternamente ao seu lado em estado de felicidade, sem tristezas, dores, perdas, morte ou ódio, usufruindo da plenitude de sua beleza e bondade já provaria esse Amor. Todo amor implica na união com o ser amado, e tal é o princípio basilar da nossa comunhão com Deus: “Fiel é Deus, por quem fostes chamados à comunhão de seu Filho Jesus Cristo, nosso Senhor. (I Coríntios 1, 9)”

Ensinou São Francisco de Sales: […] se houvesse uma infinita Bondade com a qual não tivéssemos nenhuma relação, e com quem não pudéssemos ter nenhuma comunicação, não a amaríamos, porque amor se diz união. ” (Amor de Deus, LX cap. X I Io IV. p. 19)

Ninguém deseja a infelicidade de quem ama, pois o verdadeiro Amor “[…] visa o bem geral e absoluto.”1 Para demonstrar esse Amor, é que Deus, regredindo à nossa condição, ofertou sua própria vida para que o caminho da bem aventurança eterna, outrora fechado por nossas transgressões, nos pudesse ser reaberto.2 Ofertou-se em sacrifício desonroso na cruz, porque ao contrário do amor romântico que se deleita nos afetos e prazeres, no Amor virtuoso, aquilo que é para o Bem coletivo terá prioridade sobre o bem individual, como na escassez de comida, quando um pai deixa de comer para que seus filhos possam se alimentar.

Amar como Deus nos ama, implica alegrarmos pela vida eterna junto Dele, daqueles a quem amamos.

Todavia, se depois do pecado3 nos tornamos maus e impuros, por que, ou o que nos torna ainda passíveis do amor e da bondade de Deus? O mesmo ser Divino que disse amar todas as coisas que criou,4 também disse abominar o pecado. E abominar o pecado implica abominar também o pecador que ao pecado voluntariamente adere, pois o pecado só existe no ato do ser pecante, tornando numa só coisa, o pecado e o pecador: “[…] o Altíssimo ABOMINA OS PECADORES, e exerce VINGANÇA SOBRE OS ÍMPIOS. (Eclesiástico 12, 7)”

Se a maior expressão do Amor está na comunhão, é certo que “[…] longe do Todo Poderoso está toda iniquidade! (Jó 34, 10) “[…] vós não sois um Deus a quem agrade o mal, o mau não poderia morar junto de vós; os ímpios não podem resistir ao vosso olhar. DETESTAIS A TODOS OS QUE PRATICAM O MAL, fazeis perecer aqueles que mentem, O HOMEM CRUEL E DOLOSO NOS É ABOMINÁVEL, ó Senhor.” (Salmo 5. 5, 6 e 7)

Por ser Deus, o Amor, de certo que NÃO podemos encontrar Amor e Bondade fora Dele.

Apenas o Amor tem mérito suficiente para amar e ser amado, razão porque, só é possível amarmos em Deus, e sermos amados Nele. Só podemos amar de verdade se estivermos em Deus, e só poderemos ser amados se Deus estiver em nós, porquanto em todo universo só Deus é verdadeiramente digno de amar e ser amado.

Só Deus é amor e bondade em essência, sendo que os demais seres são bons por participação Nele. ” (Boécio, anos 477-500. The Exposition of the on the Hebdomads of Boethius)

A bondade da criatura não é a essência mesma, mas algo acrescentado. ” (Santo Tomás de Aquino. Suma Teológica. Livro I, Q 6. art. 3° DA BONDADE DE DEUS)

Só podemos amar Deus nas coisas por Ele, e Nele divinizadas. Assim, Ele não ama o homem por causa da natureza animal, mas por aquilo que é Divino, e fora colocado na humanidade, que é a IMAGEM E SEMELHANÇA do próprio Deus.

Todo amor se expressa em beleza, posto ser Bela toda imagem de Deus: “O escultor em madeira estica o cordel, traça o esquema a lápis, desbasta a imagem com o cinzel, mede-a com o compasso; DÁ-LHE FORMA HUMANA, FÁ-LA UM BELO TIPO DE HOMEM, para colocá-la numa casa. (Isaías 44, 13)”

Em sua essência puramente animal, nenhum homem é bom por sua própria bondade.

Deus ama nos seres humanos unicamente a imagem que Ele vê de si próprio.

Ensinou Santo Agostinho: “[…] Deus cuida de todas as criaturas; e dentre estas, ele ama as criaturas racionais, e dentre as racionais, as que estão unidas como membros ao seu unigênito. E ama muito mais ainda ao seu próprio unigênito.”5 Compreendendo que Deus ama exclusivamente a sua imagem que está em nós, quanto mais nítida e reluzente essa imagem, mais intenso será esse amor. Deus nos fez a sua imagem, e é nela que Deus nos ama, pois sendo Deus o esplendor da perfeição, Ele ama sua própria imagem, porque no universo, além Dele, só existe a sua imagem como digna de ser amada.

Deus ama o ser humano porque neste repousa a sua imagem. (Gn 5. 1)

O amor incondicional de Deus não pode estar dissociado do seu reflexo que em nós cultivamos pela fé, mediante a santidade e a caridade.

Quanto mais Deus vê em nós a sua imitação, mais ele ama o que vê, e desta maneira mais amados somos.

A busca pela santidade faz com que essa imagem de Deus em cada indivíduo se mostre mais visível. Se o pecado nos separa de Deus ofuscando em nós a sua imagem Divina, o antídoto contra o pecado é a santificação que nos restabelece o reflexo de Deus. O pecado nos esconde do ser Divino: Minha carne se cobre de podridão e de imundície. (Jó 7, 5)” O caminho da santidade que traz por consequência, abandono e detestação ao pecado, deixa Deus mais evidente naquele que alcançou nesta vida mais um degrau da perfeição: Ninguém acende uma lâmpada e a cobre com um vaso ou a põe debaixo da cama; mas a põe sobre um castiçal, para iluminar os que entram. (São Lucas 8, 16) “A luz resplandece para o justo, e a alegria é concedida ao homem de coração reto. (Salmos 96, 11) “Portanto, sede perfeitos, assim como vosso Pai Celeste é perfeito. ” (São Mateus 5, 48)”

“É necessário admitir que Deus mais ama os seres melhores, pois amar mais a um que outro, significada querer-lhe um Bem maior, por onde, são melhores aqueles aos quais quer maior Bem. (Suma Teológica. Q 20, art. 4º Do Amor de Deus)

Por isso, apesar de Deus amar genericamente a todos, Ele ama mais o fiel que o infiel; o mártir que o egoísta; o caridoso que o ganancioso; o inocente que o perverso; o humilde ao soberbo; o verdadeiro ao falso, e o justo acima do injusto: Senhor está longe dos ímpios, mas ouve a oração dos justos”. (Provérbios 15.29)

Dentre os que o serviram, é possível que tenha amado mais São Pedro, porque  viu neste disposição incessante para o árduo serviço pastoral, a sua pedra bruta, cujo nome trocara para representar tal atributo: “Escolheu estes doze: Simão, A QUEM PÔS O NOME DE PEDRO; (São Marcos 3, 16)” “E EU TE DECLARO: TU ÉS PEDRO, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela. (São Mateus 16, 18) “Perguntou-lhe pela terceira vez: Simão, filho de João, amas-me? Pedro entristeceu-se porque lhe perguntou pela terceira vez: Amas-me? E respondeu-lhe: Senhor, sabes tudo, tu sabes que te amo. Disse-lhe Jesus: APASCENTA OS MEUS CORDEIROS. (São João 21, 17)”

Entre Pedro e João, é possível que tenha amado mais São João, pois este, por sua coragem, esteve ao lado de Jesus até o fim, quando então pôde contemplar o Amor Divino na cruz. Por isso, deu-lhe Cristo o honroso TITULO DE IRMÃO, por filiação sacerdotal da Virgem: […] achava-se reclinado SOBRE O PEITO DE JESUS UM DOS DISCÍPULOS, AQUELE A QUEM JESUS AMAVA.6 (São João 13, 23) “Então disse ao discípulo: EIS AÍ TUA MÃE. E desde aquela hora o discípulo a recebeu em sua casa.  Vê-lo-ei ao meu lado, E OS MEUS OLHOS O CONTEMPLARÃO, (São João 19,26-27)

Dos nascidos da natureza ordinária, mais amou João Batista pela humildade, pois sendo porta-voz profético do Filho de Deus, nunca quis tomar-lhe o lugar: MAS AQUELE QUE VIRÁ DEPOIS DE MIM É MAIS PODEROSO DO QUE EU, E NEM DOU DIGNO DE CARREGAR SEUS CALÇADOS. (São Mateus 3. 11) EU NÃO SOU O CRISTO.” (São João 1. 20) IMPORTA QUE ELE CRESÇA E QUE EU DIMINUA”. (São João 3, 30) “Eu (JESUS) vos digo: ENTRE OS FILHOS DAS MULHERES, NÃO SURGIU OUTRO MAIOR QUE JOÃO BATISTA.” (São Mateus 11. 11)

Em relação a todos os membros do corpo de Cristo, amou mais Maria, pois se a intensidade do amor é medida pelo Bem Maior que se deseja, e se deposita no ser amado, as Graças extraordinárias recebidas pela Virgem excederam ao de qualquer mortal, pois só ela pôde dizer de si mesma, pela autoridade do Espírito Santo:

O Senhor fez maravilhas em mim! (São Lucas 1. 49)”

Ninguém, dentre os meros mortais, creu mais, obedeceu mais, deu-se mais a Deus que ela, razão porque, dela fora profetizado que Deus a restauraria, e livraria antecipadamente da inclinação e das penas do pecado: “De longe me aparecia o Senhor: AMO-TE COM AMOR ETERNO, e por isso a ti ESTENDI O MEU FAVOR. Reconstruir-te-ei, E SERÁS RESTAURADA, Ó VIRGEM DE ISRAEL! (Jeremias 31. 3) “E Maria disse: “Minha alma glorifica ao Senhor, meu espírito exulta de alegria em Deus, meu Salvador, porque olhou para sua pobre serva. Por isso, desde agora, ME PROCLAMARÃO BEM AVENTURADA TODAS AS GERAÇÕES,” (São Lucas 1. 46-48)

Por fim, dentre os nascidos ou ainda por nascer, Deus ama infinitamente mais a Cristo, pois para morrer por toda humanidade, teria Ele que ser infinitamente melhor que todo gênero humano. Só Cristo é a imagem do Pai, não em semelhança, mas em autenticidade. IMAGEM PERFEITA que nada falta:

Ele é a imagem de Deus invisível, o Primogênito de toda a Criação. (Colossenses 1, 15) ”

Aquele que é mais amado será sempre o mais honrado.

Deus ama mais a Cristo, não somente mais que todo o gênero humano, mas, mais que toda universalidade das criaturas, pois, quis-lhe maior Bem, e deu-lhe um Nome Superior a qualquer outro nome, como VERDADEIRO DEUS.” (Suma Teológica, Santo Tomás de Aquino, Livro I Q 6º art. 4º Deus Ama Sempre os Seres Melhores)

É na imagem de Deus que reside o ato Divino de amar e ser amado, e como a imagem do Amor é sempre bela, é preciso buscar e ver o reflexo de Deus no mundo, nas obras da criação, na ciência, nas artes, e por fim no próprio homem, para só então entendermos que só podemos amar ao divinamente belo.


1 Suma Teológica Livro I, Q 5º DO BEM GERAL.

2 Com efeito, de tal modo Deus amou o mundo, que lhe deu seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. (São João 3, 16)”

3Não quem faça o bem, não nem um . (Romanos 3. 11

4 Porque amais tudo que existe, e não odiais nada do que fizestes, porquanto, se o odiásseis, não o teríeis feito de modo algum. (Sabedoria 11, 24)”

5 Comentários ao Evangelho de São João (Tratado Joanino)

6 Santo Agostinho diz sobre São João, que “ele foi escolhido por Nosso Senhor sendo virgem e sempre se conservou assim.” (…) Cristo agradou-se em escolher uma Mãe virgem, um precursor virgem e um discípulo favorito virgem. Sua Igreja só admite aqueles que vivem em perfeita castidade para servi-Lo em Seu sacerdócio, onde eles diariamente tocam e oferecem Sua carne virginal sobre o altar”.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial