ABRAÃO, PAI DA ANTIGA ALIANÇA; E MARIA, A MÃE DA NOVA ALIANÇA

Que virtude identificaria um homem da Antiga Aliança, com a figura de uma mulher da Nova Aliança?

Tal como entre Jesus Cristo e Isaac há inúmeras semelhanças, estas semelhanças também se estendem em relação a Abraão, Pai da Antiga Aliança, e Maria, declarada Mãe no Novo Pacto, permitindo-se afirmar que Abraão era um tipo, uma prefiguração da Virgem no velho Testamento.

A FIGURA DE JESUS CRISTO EM ISAAC E A OBEDIÊNCIA DE ABRAÃO, QUE O TORNOU JUSTO AOS OLHOS DE DEUS.

Todas as figuras, personagens, sinais, acontecimentos e símbolos da antiga escritura são imagens representativas das realidades que viriam a partir da Encarnação do Verbo, quando Deus, por meio de Cristo, habitou na terra. Ao olharmos as figuras do sacrifício de Isaac e da crucificação do Messias, denotamos a dor de um Pai e de uma Mãe, os quais padeceram naquele momento de dores inigualáveis porque escolheram obedecer a vontade de Deus, ainda que fosse ao custo da vida dos seus primogênitos.

Qual dor no mundo poderia rivalizar com a dor da perda de um filho amado e desejado?

A punhalada no peito de Isaac, doeria muito mais em Abraão que no próprio Isaac: “[…] estendendo a mão, TOMOU A FACA para imolar o seu filho. (Gênesis 22, 10)” E como restou dito a Virgem Mãe: “E UMA ESPADA TRANSPASSARÁ A TUA ALMA.” (São Lucas 2. 19)

Mas os pontos de identificação entre Abraão e Maria, começam desde a forma de anunciação do nascimento dos seus primogênitos. Neste contexto, mostra-se clarividente o paralelismo notório entre Abraão e a Santíssima Virgem, pois tanto um, quanto outro, tiveram os seus filhos preanunciados por meio de uma declaração DIVINA: O SENHOR APARECEU a Abraão nos carvalhos de Mambré, quando ele estava assentado à entrada de sua tenda, no maior calor do dia. Ele disse-lhe: Voltarei à tua casa dentro de um ano, a esta época; e Sara, TUA MULHER, TERÁ UM FILHO” (Gênesis 18. 1 e 10)

Já a Maria, Deus anuncia seu primogênito através de um anjo mensageiro: O ANJO (Gabriel) DISSE-LHE: Não temas, Maria, pois encontraste graça diante de Deus. Eis que CONCEBERÁS E DARÁS À LUZ UM FILHO, e lhe porás o nome de Jesus. (São Lucas 1. 30 e 31)”

Ambos lograram ainda o recebimento da Paternidade e da Maternidade, respectivamente, por meio miraculoso:  Ora, Abraão e Sara já eram idosos, com idade muito avançada; e EM SARA, O CICLO MENSAL DAS MULHERES JÁ HAVIA CESSADO. (Gênesis 11,18)

Já a Santíssima indaga ao mensageiro de Deus: Como se fará isto, VISTO QUE NÃO CONHEÇO HOMEM? (São Lucas 1. 34) E assim, se em Abraão restou um filho gerado numa mulher totalmente estéril, da parte da Santa Virgem restou um Filho gerado sem a participação de um homem, de um indivíduo do sexo masculino.

Mas as semelhanças não se encerram só nisso.

Tiveram filhos, Isaac e CRISTO, respectivamente, destinados aos ritos sacrificiais para cumprimento do designo Divino, sacrifícios esses, que se realizariam no topo de montanhas: Deus disse: Toma teu filho, teu único filho a quem tanto amas, Isaac; e vai à terra de Moriá, onde tu O OFERECERÁS EM HOLOCAUSTO SOBRE UM DOS MONTES que eu te indicar.” (Gênesis 22.2)” CHEGADOS QUE FORAM AO LUGAR CHAMADO CALVÁRIO, (MONTE) ALI O CRUCIFICARAM, como também os ladrões, um à direita e outro à esquerda. (São Lucas 23, 33)”

Abraão, e também a Virgem Maria, acompanharam seus filhos até o final do trajeto ao cume dos montes escolhidos para a realização do sacrifício de imolação e morte: […] disse ele aos seus servos; EU E O MENINO VAMOS ATÉ LÁ mais adiante,” (Gênesis 22.5)” Junto à cruz de Jesus ESTAVAM DE PÉ SUA MÃE, a irmã de sua mãe, Maria, mulher de Cléofas, e Maria Madalena. (São João 19, 27)”

A virtude do Espírito Santo que conduziu Maria a ficar perto de seu Filho Divino, único e PRIMOGÊNITO por ocasião do doloroso processo de agonia decorrente da crucificação, é a mesma virtude que fez permitiu a Abraão ser abençoado, após colocar Isaac, seu PRIMOGÊNITO LEGAL,1 à disposição de um sacrifício de sangue por obediência e amor a Deus.

Também por suas fidelidades, foram constituídos intercessores extraordinários de bençãos, milagres e graças em favor de seu povo, e de todos os seus filhos espirituais: TODAS AS FAMÍLIAS DA TERRA EM TI SERÃO BENDITAS. (Gênesis. 12. 3)” E Disse Deus: ABENÇOAREI AQUELES QUE TE ABENÇOAREM, e amaldiçoarei aqueles que te amaldiçoarem. (Gênesis 12.3)”

Em relação a Santíssima, restou assim instituído: Por isto, desde agora ME PROCLAMARÃO BEM-AVENTURADA TODAS AS GERAÇÕES.” (São Lucas 1, 48) Tua beleza encantará o rei; TODOS DO POVO IMPLORAÇÃO TEU FAVOR. CELEBRAREI VOSSO NOME ATRAVÉS DAS GERAÇÕES. E os povos vos louvarão eternamente.” (Salmo 44, 12, 13 e 18)

Temos em Abraão e Maria, a virtude da obediência elevada no sofrimento, e o sofrimento provindo por obedecer, e não se revoltar contra Deus, o qual que ordenara a morte dos filhos daqueles. E assim como a Nova Aliança é superior a Antiga, também a virtude da obediência e as dores de Maria foram superiores as dores e obediência de Abraão. Ora, Abraão só se tornou justo após sua fé ter sido submetido a prova,2 considerando que duvidou que Deus poderia realizar em sua esposa, idosa e estéril, a concepção milagrosa, razão porque, fora levado a tomar uma escrava egípcia, e engravidá-la, pois acreditava que assim se cumpriria a promessa de Deus: Eis que o Senhor me fez estéril; rogo-te que tomes a minha escrava, para ver se, ao menos por ela, eu posso ter filhos”. ABRÃO ACEITOU A PROPOSTA DE SARAI. (Gênesis 16, 2)” SERÁ ISSO, PORVENTURA, UMA COISA MUITO DIFÍCIL PARA O SENHOR? Em um ano, a esta época, voltarei à tua casa e Sara terá um filho. (Gênesis 18, 14)”

EXISTE CONTRADIÇÃO ENTRE PAULO (JUSTIFICAÇÃO PELA FÉ) E TIAGO (JUSTIFICAÇÃO PELAS OBRAS) COMO AFIRMOU LUTERO? O EQUÍVOCO DO PENSAMENTO REFORMADOR, À LUZ DA ESCOLÁSTICA E DAS ESCRITURAS.

 

Maria, de sua parte, jamais se colocou em dúvida diante da anunciação que Deus fazia por meio de seu anjo: Então disse Maria: EIS AQUI A SERVA DO SENHOR. FAÇA-SE EM MIM SEGUNDO A TUA PALAVRA. E o anjo afastou-se dela.” (São Lucas 1. 38)

Se crer numa mulher concebendo sem a intervenção de um homem é mais incrível que crer na concepção em uma mulher já estéril, isto por obvio, exigiu da Virgem, graça e fé superiores às de Abraão. 

Também a dor a ser suportada por Maria é superior a que seria suportada por Abraão, posto que esta aceitou o fato de que a vida de seu Filho Amado, Santíssimo e Inocente fosse tirada para que a vida eterna fosse concedida aos culpados. Por sua obediência, Abraão fora constituído o PAI, recebendo o sacerdócio de Patriarca de grandes descendências, a descendência dos ismaelitas (árabes) e dos judeus, geradas de seu primeiro filho, Ismael, o qual tivera com a escrava, e de Isaac, seu primogênito legal:

Abrão tinha noventa e nove anos. O Senhor apareceu-lhe e disse-lhe: “Eu sou o Deus Todo-poderoso. Anda em minha presença e sê íntegro; quero fazer aliança contigo e multiplicarei ao infinito a tua descendência. De agora em diante não te chamarás mais Abrão, e sim Abraão, porque farei de ti o pai de uma multidão de povos. Tornarei a ti extremamente fecundo, farei nascer de ti nações e terás reis por descendentes. Disse Deus a Abraão: Não chamarás mais tua mulher Sarai, e sim Sara. Eu a abençoarei, e dela te darei um filho. Eu a abençoarei, e ela será a mãe de nações e dela sairão reis. (Gênesis 17, 1-18)”

De Isaac haveria de vir Jessé, e deste, o rei Davi, e da raiz de Davi a Virgem Maria, Mãe de Jesus, o que torna Cristo um parente sanguíneo do Patriarca3 da velha Aliança.

Enquanto Abraão tinha sido feito Patriarca do antigo Pacto, a Virgem, por meio de um decreto celestial, proferido dos lábios do Filho Divino, que a institui no Título de Mulher, Mãe de toda humanidade restaurada no sacrifício do corpo humano do Filho, e, portanto, Mãe da Igreja que é o Corpo Místico de Cristo: Quando Jesus viu sua mãe e perto dela o discípulo que amava, disse à sua mãe: ‘MULHER, EIS AÍ TEU FILHO’. Depois disse ao discípulo: ‘EIS AÍ TUA MÃE. (São João 29.27)”

Inaugurava-se assim, o Matriarcado de Maria na Igreja de Cristo.

Mulher é um título sacerdotal, a Matriara de toda humanidade ressurreta em Cristo. É ela, a mulher do Gênesis, inimiga da serpente, e a Mulher do Apocalipse, que reina com a Coroa de doze estrelas, referente as doze Tribos de Israel.

A MULHER FUGIU ENTÃO PARA O DESERTO, onde Deus lhe tinha preparado um retiro para aí ser sustentada por mil duzentos e sessenta dias. ELA DEU À LUZ UM FILHO, UM MENINO, aquele que deve reger todas as nações pagãs com cetro de ferro. Mas seu Filho foi arrebatado para junto de Deus, e do seu trono. O DRAGÃO SE IRRITOU CONTRA A MULHER, E SUA DESCENDÊNCIA, AQUELES QUE GUARDAM OS MANDAMENTOS DE DEUS. (Apocalipse 12. 5, 6 e 17)”

A Mulher, enquanto Mãe, é Mãe de toda humanidade que ressuscitará em Cristo, já que somos salvos pelo sacrifício da humanidade de Cristo, humanidade esta, que tomou o seu material biológico da Virgem para se encarnar, ligando-se à descendência de Davi e Abraão. Logo, mediante a Encarnação do Verbo, Maria é constituída Mãe de toda Humanidade. Ora, sendo o seu Filho, o Cabeça de um Corpo Místico do qual todos que nascemos Nele, morremos Nele, e Nele ressuscitaremos, são tidos como filhos de Maria, por ser esta a Mãe de todo o Corpo.

Maria é Mãe do Corpo de Cristo, concebido e gerado em seu ventre, sendo, portanto, Mãe também da Igreja, que é o Corpo Místico Dele: “[…] eis que agora ele vos reconciliou pela morte de seu CORPO HUMANO, para que vos possais apresentar santos, imaculados, irrepreensíveis aos olhos do Pai. (Colossenses 1, 22)” […] nós, embora muitos, FORMAMOS UM SÓ CORPO EM CRISTO, E CADA UM DE NÓS É MEMBRO UM DO OUTRO. (Romanos 4, 5)”

Cristo “é CABEÇA DO CORPO, da IGREJA. (Colossenses 1. 18).”

A Cena do calvário não faz, senão, confirmar essa Verdade: Já na Encarnação, Maria é constituída Mãe de toda Humanidade. Gera o Salvador inteiramente (Humano e Divino). Ora, se é o seu Filho, o Cabeça de um Corpo Místico Uno, Maria se torna Mãe de todo o Corpo. A Cena do calvário não faz, senão, confirmar essa Verdade. Ao lhe apontar São João, o Apóstolo fiel, nele, lá estavam representados todos os Apóstolos e todos os fiéis, presentes e futuros. (Compêndio de Teologia Mística e Ascética, p. 68, 1948)

Como ensinaram os antigos:

A misericórdia Divina compadece-se das lágrimas desta mãe. Ela é viúva; o sofrimento e a morte do seu filho único abalaram-na profundamente. […] Parece-me que esta viúva, rodeada por uma grande multidão, é mais do que uma simples mulher que merece, pelas suas lágrimas, a ressurreição de um filho jovem e único. Ela é A IMAGEM DA PRÓPRIA SANTA IGREJA que, através das suas lágrimas, no meio do cortejo fúnebre e até ao túmulo, consegue chamar à vida o jovem povo que é o mundo. […] Porque pela palavra de Deus os mortos ressuscitam, recuperam a voz e a mãe reencontra o seu filho; Ela intercede por todos os seus filhos como o faria por outros tantos filhos. Com efeito, ela está repleta de compaixão e sente uma dor espiritual muito maternal quando vê os seus filhos serem arrastados para a morte pelo pecado. (Santo Ambrósio de Milão 340-397, sobre o Evangelho de São Lucas, V, 89)”

Como a figura de Isaac (a oferta de sacrifício não realizado), está associada ao Cristo, (o sacrifício realizado), também Abraão, o ofertante do sacrifício prefigurado, está associado a Santíssima Virgem, a ofertante do sacrifício consumado, e nas palavras de um sábio rei e profeta: Como o lírio entre os espinhos, assim é minha amiga entre as donzelas. Meu amado é para mim e eu sou para ele. Toda formosa és, amiga minha, E EM TI NÃO HÁ MÁCULA. ÉS UM JARDIM FECHADO, MINHA IRMÃ, MINHA ESPOSA, UMA NASCENTE FECHADA, UMA FONTE SELADA. (Cânticos 2. 4)”

Em Maria, o mandamento de honrar Pai e MÃE,4 fora cumprido por Cristo, e elevado a perfeição no Matriarcado de Maria, na Igreja edificada pelo Filho Santíssimo sob o pilar dos apóstolos.5

—————–

1 O primeiro filho natural de Abraão é Ismael, filho da escrava. Mas os direitos à Primogenitura Legal foram dados em favor de Isaac, do qual viria a linhagem ancestral do Salvador: “E disse a Deus: “Oxalá que Ismael viva diante de vossa face!”.Mas Deus respondeu-lhe: “Não, é Sara, tua mulher que dará à luz um filho, ao qual chamarás Isaac. Farei aliança com ele, uma aliança que será perpétua para sua posteridade depois dele.” (Gn 17. 18 e 19)

2 Foi PELA sua FÉ que Abraão, SUBMETIDO A PROVA,ofereceu Isaac, seu único filho, depois de ter recebido a promessa e ouvido as palavras: Uma posteridade com o teu nome te será dada em Isaac.” (Hebreus 11.17 e 18)

3 JESUS CRISTO, Nosso Senhor, descendente de Davi quanto à CARNE,(Romanos 1. 3) Lembra-te de JESUS CRISTO, saído da ESTIRPE DE DAVI, […] (II Timóteo 2. 8)

4 Honrar Pai e Mãe. (Êxodo 20.12) Apenas o filho insensato despreza sua mãe. (Pr 15, 20)

5 Consequentemente, já não sois hóspedes nem peregrinos, mas sois concidadãos dos santos e membros da família de Deus, edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, tendo por pedra angular o próprio Cristo Jesus.* 21.É nele que todo edifício, harmo­nicamente disposto, se levanta até formar um templo santo no Senhor. (Efésios 2. 19-21)

 

Seguir:
error

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial